Medo de te perder. É bobagem.

0

bear-dress-girl-grass-teddy-Favim.com-246581Meu medo de te perder é maior que o desespero de bater o dedinho do pé em uma quina assassina. É maior que a minha fome monstruosa nos momentos menos prováveis. É maior que minha loucura nos meus dias ruins. Meu medo de te perder é tão forte que me paralisa por alguns segundos, suficientes para notar que esse medo é uma tremenda bobagem.

Sentir medo e não aproveitar o momento pode causar muitos danos. Pode me fazer perder aquele golaço que você fez. Pode fazer com que você não saiba bem como agir e a gente acabe brigando. Pode fazer com que eu perca a razão nos momentos mais tranquilos e pode nos afastar também. E eu tenho muito medo do meu medo de jogar ladeira abaixo tudo que construímos.

Meu medo é tão grande que eu tenho pesadelos com o dia em que não estaremos mais juntos. Ah, vá. Eu sei que não é o fim do mundo e que não é pra tanto, mas quem disse que eu, meu cérebro e meu coração andamos de mãos dadas? Cada um funciona em prol de si mesmo, cada um tem suas nóias e suas certezas… mas o medo permanece.

Eu já tentei terapia, chazinho da vovó, falar com os amigos, sair pela noite caminhando para clarear as ideias… eu mudo de roupa, endereço, estilo, corte e cor de cabelo mas dentro de mim esse sentimento ridículo não muda. Eu tenho medo de te perder pra alguém mais legal, alguém com uma memória melhor e um vocabulário mais rico. Eu tenho medo de não parecer mais interessante pra você e que você se apaixone pela primeira menina interessante pelo caminho. Você não tem esse medo também, meu bem?

Queria derramar todo esse medo em um potinho e guardar pra mostrar pros meus filhos e dizer: “olha, isso aqui é totalmente desnecessário e eu convivi com isso por boa parte da minha vida”. Pra ouvir de resposta um “a gente já sabe, mãe. Fica tranquila porque a gente não tem medo mesmo, não”. Bom, eu espero ter filhos espertos, de preferência com você.

Eu espero ter tempo o suficiente pra viver tudo que quero. Pra gente visitar todos os museus, todas as festas, todos os amigos e toda a família. Porque a gente não seria nada sem as pessoas e os cenários que acompanham a nossa trajetória.

Sabe, pensando bem mesmo, a gente tem muita coisa linda pra viver. E, se não der tempo, a gente vive mais e mais e mais. Porque não vai acabar aqui, sei que isso é coisa explicada pela astrologia, pelos orixás ou pelo amor mesmo. A gente não vai acabar aqui, meu amor. A gente vai viver intensamente tudo que tem pra viver, deixando meu medinho num potinho trancado a sete chaves.

Viver é um risco e o final todo mundo sabe. Então, pra quê ter tanto medo assim?

Fonte: Entre Todas As Coisas

 

Apaixonar-se pela primeira vez não é bom?

0

couple-love-photography-romance-favim-com-429788Se apaixonar pela primeira vez é uma droga. Droga daquelas que te deixa virado no dia seguinte, sem saber se o seu lado direito do corpo virou o esquerdo e vice versa.

Principalmente se você for marinheiro de primeira viagem, nunca esqueça seu colete salva-vidas, mesmo que ele raramente funcione apropriadamente e acabe no final servindo mais como um novo acessório fashion no hall dos corações despedaçados.

É ruim quando você se apaixona pela primeira vez, porque você não sabe ao certo que fazer e ninguém te dá um manual de instruções pra saber como agir. E você também acaba descobrindo que não há ctrl+z para apertar freneticamente toda vez que você faz uma cagada.

Você vai querer ficar com essa pessoa o tempo todo, vai querer dizer coisas que nem vão parecer que saíram de sua boca. Vai pensar nas outras pessoas como sendo outras pessoas, e não como a “garçonete gatinha” ou o “gostoso do cursinho de inglês”. Vai achar que aquela celebridade deu uma engordadinha, e até vai achar defeito em tudo, sempre comparando tudo a sua a essa pessoa que você começou amar do nada. Vai comparar até o liquidificador, sofá e aquele Big Mac que você comeu por impulso (“não tava tão gostoso quanto ficar abraçadinho com ela”.)

Você nunca vai saber se está no tempo certo, vai ficar com medo de dizer te amo, e se disser sem pensar vai acabar se desdizendo.“Eu só falei por falar…” E toda reação do outro, dessa sua primeira paixão, vai te deixar alegre ou te matar milhões de vezes. Você vai ficar ciumento, ranzinza e muitas características que vão te afastar dos seus amigos e de tudo que você conhecia como seu mundo.

E, na mesma velocidade que tudo de bom chegou, em um segundo você vai ouvir “Não é você, sou eu…”, “Eu preciso de um tempo…” ou pior… “Eu não estou a fim de um relacionamento sério…”.

Não vai importar qual será o motivo: você ter chegado “lá” primeiro, você não ter controlado suas emoções, ou, o que acontece bastante, a sua pessoa amada ser uma filha da puta por natureza. Invariavelmente você terá seu coração partido, em pedaços tamanho m&m’s. Você estará na estrada para comer de raiva, chorar sozinho e contar sua história pra todos.

Se apaixonar pela primeira vez definitivamente é jogar dados, com apostas altíssimas. Mas depois você aprende as regras do jogo e se sente mais no controle, mesmo que você nunca se acostume com o frio na barriga e as derrotas que arrancam pedaços de você pouco a pouco. Os dados estarão em suas mãos, mas o seu coração sempre estará em jogo.

Fonte: Entre Todas As Coisas

 

Ainda dá tempo… antes que eu te ame

0

alone-bathroom-fashion-girl-lonely-girls-Favim.com-426797Tô numa cena patética no banheiro da sua casa. Escorada na parede, sentada no chão, enrolada numa toalha e chorando baixo para não correr o risco de você me ouvir. Essa situação se deve ao fato de que há dois minutos, caiu a ficha: eu me apaixonei por você.

Não era esse o combinado, mas o coração me pregou uma peça de mau gosto. A última coisa que eu queria era isso, porque eu sei que você não está na mesma página que eu – nem pretende estar.
Eu queria que você ouvisse meus pensamentos agora. Talvez chegasse até mim e dissesse que eu não preciso ter medo. “Eu me apaixonei também”. E aí tudo ficaria bem – bem demais, inclusive.

Porque talvez, no fundo, eu goste dessa paixão, sabe? Faz eu me sentir viva. Faz até eu sentir medo, o que reforça a primeira sensação. “Estou viva!”, mesmo depois de tantos tombos pelo caminho. Se não tivéssemos medo, a vida não teria graça. Já pensou nisso?

Ah, mas eu não podia ter caído nessa. Porra! Como desfaz coisas desse tipo? Eu não quero essa dúvida na minha vida, não. Não preciso disso agora. “Levanta”, digo a mim mesma. Limpo o rosto para você não perceber minha cara de choro. A mão já está na maçaneta. E agora?

Eu quero ir embora assim que abrir a porta. Juntar minhas coisas e te deixar para trás antes que o estrago maior seja feito. Antes que eu ame a sua companhia e o seu corpo. Antes que eu ame o seu sorriso e as suas piadas sem graça. Antes que eu ame ouvir seu dia e seus problemas de família. Antes que eu te ame.

Abro a porta e vejo você. Minha blusa a poucos passos de distância… Passo por ela e visto seu abraço. Uso seu beijo de acessório. Meu coração vibra e minhas pernas tremem. O ar mal chega aos pulmões. Tarde demais para mim: eu já te amo.

Fonte: Entre Todas As Coisas

Go to Top