No cenário atual de competitividade e de globalização da economia, cada vez mais, as empresas buscam uma maneira de fidelizar os clientes. As ações vão desde o investimento em treinamentos para os funcionários, até a busca de inovações que surpreendam as expectativas desses clientes. Esse ambiente competitivo define a busca incessante de bom desempenho e eficácia por parte das organizações. Para isso, as empresas estão, cada vez mais, à procura do perfil profissional de sucesso. Aquele que agrega ética, postura, trabalho em equipe e a capacidade contínua de saber executar a sua função.

Os clientes, cada vez mais, portam um nível de exigência elevado. Porque ele fica na condição de receptor dos produtos e serviços oferecidos por uma empresa ou uma pessoa física. E, na maioria dos casos, ele paga por esses produtos e serviços, sem fazer parte do processo de produção ou otimização dos mesmos. Por esse fato, as empresas procuram conhecer os processos de um atendimento e como executá-los. É também fundamental para as organizações saberem quem são seus clientes, instituir formas de atração e investir em ferramentas que garantem a fidelização.

Ao atuarem nessas etapas de atrair e fidelizar o cliente, é preciso identificá-lo dentro da sua tipologia, ou seja, conhecer esse cliente e implementar um tipo de ação específica para cada um deles. Qual o cliente que está apenas interessado em comprar ou usar o produto/serviço oferecido. Aquele que apenas visita o estabelecimento para observações e conclusões próprias; os eventuais que adquirem os produtos ou serviços uma vez ou outra; os regulares, sucessivamente usufruem os produtos e serviços ofertados pelo estabelecimento; e também, aqueles clientes “já fidelizados” que elogiam a qualidade, sugerem, fazem críticas e indicam os produtos e serviços para outros clientes. Como trabalhar com cada um desses clientes.