Dentre os “news” modelos fabricados pelo mundo moderno surge um novo conceito de homem para as mulheres.  Cada vez mais os produtos midiáticos constroem conceitos polêmicos e anti conservadores, ao extremo, de como devemos conduzir nossas relações heterossexuais.

Em conversas na intimidade com minhas amigas, elas comentaram o seguinte. O príncipe encantado é visto hoje caracterizado da união do útil ao agradável. Jamais com a imagem de fiel inabalada, ele tem de ser sensível, sábio e sofisticado.

Ganham espaço entre as mulheres aquele homem que as fazem rir, ouçam e sobretudo ainda seja muito carinhoso. O tipo “nossa senhora, que homem é aquele”, encontra como forte concorrente, o que no meio da madrugada levanta e troca o bebê ou pega um copo de água.

Mas o que minhas amigas mais adimiram no sujeito é a habilidade de acumular todas as características sem extremos. Do tipo que na hora do “vamos ver”, usa como preliminar dobrar as roupas para não amassar.

Deixou de ser fácil ser um homem ideal.