[youtube=http://www.youtube.com/watch?v=4LQNnlTMquM&feature=player_embedded]

 

Pois bem, viu o vídeo? Esse post é um saudoso e velho ditado popular – “atirei no que vi e matei o que não vi”. Procurava uma outra coisa e achei esta. Quais as relações humanas com as animalescas:

  • A – sexo com música é desde o Egito antigo, quando os Faraós mandavam tocar as trombetas, quando outras eram sopradas mais embaixo. A justificativa era para que os seus filhos não ouvissem os gemidos das escravas. Então deixe uma musiquinha já engatilhada, começada nos meros segundos à espera de um clique ou toque no pause/play.
  • B – todos já ouviram alguma coisa sobre a expressão “de quatro”. Há fêmeas que acham vulgar, sentem-se submissas ao anseios dos machos, vergonha, etc. Mas é inegável que as listas pretas e brancas da zebra viram um verdadeiro mosaico. É engraçado vê a juba do leão balançar? As “escadeiras” peludas da macaca? E os camelos? Além das bolas em cima das costas, “de quatro” ficam parecendo o Pão de açúcar. Então, é bumbum pra cima mulherada, (alguns homens também)!

Antes da relação C, quero enfatizar qual o contexto “de quatro” e do bumbum da mulher brasileira. Segundo pesquisas da turma da sexologia, é a população no mundo que mais faz relação sexual “de quatro”. E o bumbum feminino é tão valorizado por aqui, porque está intrinsecamente ligado às relações sexuais da época escravista e feudal. Os Senhores Feudais, quando mantinham relações com as escravas eram 95% das vezes “de quatro” e “mais acima”. Se não, filhos bastardos e herdeiros poderiam aparecer. Mas ainda assim, os 5% correspondem há muitos mestiços Brasil a fora.

Foi a hora extra do período colonial.  Um sistema capitalista sem o tributo do assédio sexual.

  • C – para os religiosos é um comportamento irracional e anti-animal, porque não há gay mundo animal. Nunca vi, já viu? Para os conservadores é um absurdo. Mas para os gays é a única maneira de ser feliz – pelo menos na hora “H”. Porém, pode ser muito caro o custo. Antes de imitar a letra “K” do alfabeto é comum tirar algumas pedrinhas pra não machucar os joelhos e as mãos. Proteja-se por completo. Camisinha nele também.

Já ficou “de quatro”? Nem procurando uma moedinha no chão? Ou brincando com seu bebê? Ah, não há como negar. Quantos bebês vem ao mundo, porque um dia a mamãe ficou “de quatro”? Há muito tempo foi assinada a Lei Áurea.