Fonte: Folha.com

Em tópicos.

BRASILEIRÃO

  • O São Paulo entregou. Mas, foi a derrota mais vitoriosa no campeonato feita pelo tricolor.
  • Ficam os brasileiros apaixonadas por esta redonda também, a deriva na barca furada de Juvenal Juvêncio e Ricardo Teixeira.
  • Que nome não faz menção à competência. Fica a lição para o mundo empresarial também. Dorival Júnior, re-criou um galo forte vingador em 12 jogos conquistando 21 pontos. Praticamente fora da zona de rebaixamento.
  • Vanderlei Luxemburgo, depenou um frango em 24 jogos para ganhar 21 pontinhos.

CAOS AÉREO

  • É esperar pra ver se o overbooking (quando as empresas vendem mais passagens do que os assentos disponíveis) será mesmo evitado pelas empresas aéreas.
  • Se não, é esperar também se a ANAC vai puní-las. De que forma?
  • Daqui a pouco a Globo coloca um outro comentarista, pra dizer que a culpa é do Lula e dos Nordestinos. Os que antigamente andavam de pau-de-arara e agora viajam de avião entre São Paulo e Fortaleza, Recife, Salvador, etc.
  • Eu quero ver, vôo cancelado ou atrasado, e a “cumade mais o cumpade e os catarrentos” embarcarem em outra companhia. Se sim, que bom. Azar pro meu ceticismo. Corro o risco.

RIO DE JANEIRO

  • A cidade maravilhosa, do carnaval, da bossa nova.
  • A casa do Fla-Flu e de Bangu.
  • Acreditem, o governador Sérgio Cabral está equivocado em falar que é “tentativa de intimidação e retaliação”.
  • Não é. O Rio, como outras capitais brasileiras já são submissas ao poder do narcotráfico.
  • O carioca acha que o Capitão Nascimento existe de verdade. Não. Ele não existe, se existisse também não resolveria, pois, seria corrompido também.
  • Cabral. Não é intimidação e nem retaliação . É corrupção. Fique tranquilo, você não está sozinho nessa. Aqui em Minas os lojistas do Bairro Floresta se unem contra os ladrões. Além do pagamento de impostos, recorde novamente de arrecadação (divulgado hoje), é preciso unir-se e fazer o papel do Estado.
  • A omissão também afeta nossas instituições. Por isso existe o aperfeiçoamento contínuo das organizações criminosas.
  • Veja bem. Se um carro da Aeronáutica é parado por bandidos armados, fazendo seu condutor, um sargento, fugir mata a dentro, debaixo de tiros e granada, ainda não é intimidação – não sei mais o significado e conceito das coisas. Cristo Redentor, o carro oficial ali, não representa o Estado? Nem mesmo sob o seu representante vivo, legal, no exercício da função.
  • Isso é guerra. É o mesmo que insurgentes atacarem os blindados no Iraque ou Afeganistão.
  • Brasil, o inimigo nunca foi outro. É o de sempre.