Gente, não há coisas estranhas somente na vida real não. Aliás, o “virtual” só existe para o real – e lá o bicho pega, o buraco é mais embaixo, a cobra fuma (com o filtro pra fora), porque cobras adoram uma sensação de quentinho, calor né? Então, há de tudo por aí.

Mas o que mais me deixa curioso é a coragem, audácia, desprendimento – isso é excitante. Como alguns não ficam acorrentados com o tabu, com os rótulos, com o preconceito e por isso, vivem.

Imagine, uma mulher após um namoro frustrado com um evangélico, que só cearia após a conversão da amada… em fim. Término do namoro, e a mina queria apaixonar-se por alguém de verdade e entregar a sua virgindade. Mas não houve ceia. Então, desesperada e com medo de transar ela ouve do melhor amigo que ele estava ali pra o que der e vier está disposto a ajudá-la deixar de ser virgem. Ela aceita… acompanhe a história em “Quando o lobo mau quer comer chapeuzinho“.

E você está a beira da morte, está com tesão, encontra alguém para transar, de repente só há “7 lugares para transar antes de morrer“. Qual desses você escolheria: festa de halloween, drive thru, provador de roupa (C&A, Renner, Riachuelo, Marisa, etc), confessionário, sala de xerox, zoológico, quarto de hospital (depende de onde está o dó-dói).

Eu já falei da minha experiência em sentar pelado na areia, é horrível. Agora transar na areia é o primeiro de “Os cinco piores lugares para transar… e porquê. Imagine em alto mar, na rede, no quarto dos pais e na água gelada. Acredite, há gente que encara.