Estão colocando na cadeia a informação.

Há uma movimentação de “grandes” para calar o sujeito – tanto o veículo de comunicação quanto o seu criador. São os tentáculos do poder na fúria por serem incomodados dos fatos revelados. veja bem, este cara, Julian Assange, revela os horrores da Guerra no Afeganistão e inclusive fatos no Brasil.

Verifique abaixo algumas análises do caso, para que você possa entender um pouco mais sobre:

Carta Capital – O cerco ao WikiLeaks.

“Toda essa farsa foi levada ao palco porque as atividades de Julian Assange e do WikiLeaks não são realmente ilegais. Várias decisões jurídicas dos EUA, notadamente a decisão de 1971 que deu ao New York Times o direito de publicar os “Papéis do Pentágono”, concordaram em que a liberdade de imprensa garantida pela Constituição se sobrepõe à reivindicação de segredo do Executivo. O funcionário que vazou os arquivos oficiais pode, em princípio, ser processado, não a organização que aceitou o material e a publicou”.

Carta Capital – Assange: Wikileaks criou um novo tipo de jornalismo.

“Sociedades democráticas precisam de uma mídia forte e o Wikileaks faz parte dessa mídia. A mídia ajuda a manter um governo honesto. Wikileaks revelou algumas duras verdades sobre as guerras do Iraque e do Afeganistão, e notícias defeituosas (‘broken stories’) sobre corrupção corporativa”.

Ataques ao servidor e expulsão da WikiLeaks pela Amazon

Em 1º de dezembro, WikiLeaks anunciou que a Amazon.com o expulsara dos seus servidores. O site era hospedado pela Amazon desde que começaram os ataques contra seu hospedeiro sueco, Bahnhof, em 28 de novembro, tornando o acesso instável. Quando, no dia 1º, os servidores da Amazon pararam de responder aos pedidos de acesso, WikiLeaks ficou indisponível durante várias horas. O senador americano Joe Lieberman informou que a decisão da Amazon atendia a pedidos de membros do Congresso americano. Isso está aqui.