Tão pior quanto a tragédia, o assassinato em série de 12 crianças é a espetacularização do fato pela mídia nacional. A exibição das imagens brutas, nuas e cruas pode causar vários traumas na sociedade já abalada. Infelizmente vê-se também uma chuva de análises do perfil do criminoso que ao invés de esclarecer os fatos, mais confundem. Pois, todas em nenhum momento ficam próximas das outras. Infelizmente também é o drama e a dificuldade dos familiares em enfrentar esta situação.

Há de se duvidar do quanto à necessidade da universalização da informação. O fácil acesso ao “todo”, a banalização e a despudorização dos acontecimentos, etc. Precisamos realmente aprofundar na desgraça alheia? Ou unir forças e combater o crime, as doenças (em especial as psicológicas), a corrupção e os males modernos da sociedade – consumismo, deturpação de valores e culturas.