Olá pessoal, hoje falamos muito em “Facebook daqui e dali”. Mas quem é realmente a nova gigante da comunicação digital? O texto a seguir ainda está muito longe de responder a pergunta. Ele apenas se limitar a falar para muitos, por meio do Blog do Marcone, outras facetas do FACEBOOK.

Mark Zuckerberg, Obama e o Facebook (leia o texto original aqui)

Facebook

Na última semana, o Facebook anunciou a contratação de Joe Lockhart, ex-porta-voz da Casa Branca durante o governo Bill Clinton (1993-2001), que irá gerenciar a comunicação corporativa da rede social em nível mundial. Poderia ser apenas a chegada de mais um consultor de peso. Contudo, outros recrutamentos recentes promovidos por Mark Zuckerberg indicam que o empreendedor de 27 anos tem uma estratégia em mente: cercar-se de profissionais com ótimo trânsito político. O provável objetivo é lidar com a grande questão que virá pela frente: o número crescente de queixas de violação de privacidade do usuário por parte do Facebook.

Desde sua fundação, em fevereiro de 2004, a rede social mais popular do planeta já alterou seus termos de uso e políticas de privacidade 48 vezes – uma média de quase sete modificações por ano. Duas delas, em especial, aconteceram sem um aviso explícito ao principal interessado: o dono da informação. Em maio de 2010, dados de todos os usuários da rede, como nome, profissão, cidade, lista de amigos e álbum de fotos, passaram a ser considerados públicos – ou seja, se tornaram acessíveis aos demais cadastrados no serviço.

Recentemente, a rede ativou automaticamente (saiba como desabilitá-lo) o sistema de reconhecimento facial de usuários cadastrados em todo o mundo (nos Estados Unidos, a ferramenta já estava ativa). E, mais uma vez, sem aviso. O episódio provocou a reação de autoridades de proteção de dados da União Europeia, que consideraram inaceitáveis tais modificações.

Há tempos, Zuckerberg conhece a importância de se manter próximo ao poder. Ele possui laços com Barack Obama desde 2008. Na época, o partido do atual presidente americano contratou Chris Hughes, cofundador do Facebook, que se tornou responsável por parte da campanha on-line de Obama. Formado em história e literatura pela Universidade de Harvard, Hughes criou o MyBarackObama.com, rede social considerada decisiva para o sucesso democrata. Pouco depois, estampou a capa da publicação americana Fast Company: “Conheça o garoto que fez Obama presidente”. Em abril, o presidente americano participou de uma sabatina na sede do Facebook, em Palo Alto, na Califórnia.

Confira a seguir o grupo do Facebook proveniente da Casa Branca ou arredores:

• Sheryl Sandberg: ex-chefe de equipe do secretário de Tesouro do governo de Bill Clinton. Hoje, é chefe de operações do Facebook e considerada a pessoa mais próxima de Zuckerberg

• Ted Ullyot: advogado e ex-coordenador de gabinete do procurador-geral do governo George W. Bush. Atualmente, é conselheiro-geral do Facebook

• Marne Levine: ex-assessora da área econômica do governo Obama. Hoje, ocupa o cargo de vice-presidente de diretrizes públicas globais do Facebook

• Joel Kaplan: ex-subchefe de gabinete do ex-presidente George W. Bush. Hoje, é vice-presidente de políticas públicas federais do Facebook

Com Lockhart, o quinto elemento, é certo que o Facebook tratou de reforçar seu braço institucional e seus laços com Washington. É provável também que essa proximidade com a Casa Branca seja útil caso a discussão sobre a privacidade de dados dos quase 700 milhões de usuários da rede seja definitivamente colocada em pauta.