Por Juca Kfouri,

Ah, que saudade do Brasileirão!

Não me falem de Brasil 0, Venezuela 0.

Se eu fosse técnico da Seleção Brasileira nunca mais convocaria o Robinho.

E teria mil reservas em relação a Lucas Leiva e Ramires.

Bem mesmo foram os da defesa, todos eles, principalmente Daniel Alves.

Mano Menezes demorou a tirar Robinho, para botar Fred, aos 19 minutos do segundo tempo.

Até ali, o melhor que tinha acontecido, e ainda no primeiro tempo, foi um tirambaço de Pato, que não foi mal, no travessão.

Ganso e Neymar ficaram devendo, mas estes ainda darão muitas alegrias ao torcedor.

Mas devem ser menos preciosistas e chutar mais e preparar menos, embora o gramado, para variar nestes lados do mundo, fosse de lascar.

Pombas, mas ir mal com a Venezuela?

Está bem que não existem mais galinhas mortas no futebol como disse Mano Menezes.

Mas também não precisa exagerar.

Sim, é verdade que até de Honduras o time do Felipão perdeu para depois ser campeão mundial.

Mas o começo de Mano é pior que o começo de Dunga (que aliás foi muito bom, mesmo lembrando que a conquista da Copa América só valeu mesmo pela decisão com a Argentina).

NOTAS

Na defesa, de Júlio César e André Santos, 7 para todos, menos para Daniel Alves, com 7,5.

No meio de campo, Lucas fica com 5,  Ramires com 4 e Ganso com4,5.

Na frente, Robinho leva 3, Neymar 5,5, Pato 6,5, que não deveria ter saído para a entrada do sem nota Lucas (que tinha mesmo de entrar) e Fred, 5.

Elano que substituiu Ramires fica também sem nota.

Mano fica com 4. E olhe lá! É que o casaco dele deu inveja ao Paulo Roberto Falcão.

Mas deve dar uma entrevista nota 10.