Acima: Eike Batista e Abaixo da esquerda para direita Sarney, Cabral e Aécio Neves.

8 grandes políticos brasileiros tiveram seus nomes citados em viagens particulares e a negócios (quais, não é?), em aeronaves particulares e oficiais.

José Sarney – pegou carona (e cara mesmo, é o contribuinte que paga isso, com 5 meses de trabalho ao ano) – em helicóptero da PM (Polícia Militar) do Maranhão para fazer passeio particular com a família. Ele viajou até a ilha de Curupu, onde há uma casa de encontros com empresários. Esta viagem custou atraso no socorro de uma vítima com traumatismo craniano – que seria socorrido pela PM.

Sérgio Cabral – o então governador do Rio de Janeiro (PMDB), viajou em um jatinho do Eike Batista para a Bahia. O destino era uma festa de aniversário de um mega empresário do ramo da construção. Até aqui tudo bem. O avião é do Eike e ele empresta, doa, dá carona a quem ele quiser. O outro lado é que Deputados (outros iguais a este governador) pedem explicações mais claras do Cabral. Pois, o homem do Palácio das Laranjeiras concedeu vários benefícios fiscais ao Grupo EBX – do empresário Eike Batista. Que nas eleições passadas doou ao governador fluminense nada mais nada menos que R$ 750 mil para a campanha.

Aécio Neves – o “mineirinho engana quieto”. Senador pelo PSDB, usou um jato de um empresário de táxi aéreo. Cujo o sócio da empresa, foi nomeado por ele (Aécio) para presidir a Companhia de Desenvolvimento Econômico de Minas Gerais – a Codemig. O jato foi emprestado ao ex-governador de Minas em sua última campanha política.

Outros políticos como Jaques Wagner (Gov. da Bahia) , Cid Gomes (irmão de Ciro Gomes e Gov. do Ceará), Paulo Bernardo (Min. das Comunicações) e Beto Richa (Gov. do Paraná) também estão no ar em objetos e negócios (voadores) não identificados. Ver aqui.