Ainda que a receita de bolo da Globo para novelas seja a mesma. No início da noite, quando os filhos chegam em casa da escola, e os pais ainda não chegaram do trabalho, no ar uma trama mais leve, com um leve humor e muitas coisa fora da realidade. Um verdadeiro apelo místico, romantismo e literatura clássica. Relembramos de: Estrela Guia, Fera Radical, O Sexo dos Anjos, Livre para Voar, Felicidade, etc.

Já os folhetins de “as nove horas” é prata da casa. Uma torta com o melhor pão de ló, o desejo de demonstração da realidade, as traições em massa, filhos de outros relacionamentos e excesso de sangue. É inevitável um “quem matou fulano?”. Correto?

Porém, a novela “A Vida da Gente”, joga um ovo podre na receita. É o mesmo que virar a equação de cabeça para baixo. Embora o seu público seja distinto e com expectativa diferente. A vida de noveleiro de repente está cheia de emoção, um carro já tombado na via é arremessado por um caminhão num lago. De espetacular é a grande tomada de decisão da Manuela (Marjorie Estiano) que precisou escolher entre salvar primeiro a irmã ou a sobrinha – um bebê de menos de um ano. A evolução de uma “cabeça palito de fósforo”. Lembram da “Natasha” de Malhação ente 2004 e 2005?

Outros temas serão abordados na trama, com por exemplo o coma profundo. Que será protagonizado por Ana (Fernanda Vasconcellos). Essa virada na fórmula parece está dando certo. A cada dia, “A Vida da Gente” arrebenta no Ibope. É a prova de que o público quer uma outra quitanda. 

Voltando ao bolo de fubá, acho que  Griselda é uma personagem ainda mais inverossímil do que todas as outras da Globo. Em qual planeta uma mulher conhecida como “Pereirão”, que não raspa o buço nem tira o macacão nem para ir no velório entortaria a cabeça de dois homens bonitos, e um deles muito rico?.

Ah, como é lindo o cenário de “A Vida da Gente” – pena que o Sul do País não é só beleza.